O cardápio certo para quem tem medo de voar

No ar, o corpo humano sofre algumas alterações, inclusive inchaço na barriga e flatulência além do normal

  
  

Fazer uma viagem de avião não é uma tarefa simples, especialmente para quem tem medo de voar. São inúmeras as decisões que precisam ser tomadas para a viagem acontecer, como arrumar as malas, comprar a passagem, organizar o transporte até o aeroporto, entre outras. Na correria, um item acaba sendo deixado de lado e pode fazer toda a diferença durante o voo: a alimentação.

Segunda a psicóloga Paola Casalecchi, cofundadora da VOE Psicologia, a ansiedade gerada pelo medo de voar pode causar desconfortos gástricos, como dores de estômago, aumento da frequência de defecação, azia e enjoo. Mas, um dos principais problemas gástricos durante um voo são os gases.

“No ar, o corpo humano sofre algumas alterações, inclusive inchaço na barriga e flatulência além do normal. A explicação para esse aumento de gases vem da física: quando a pressão atmosférica cai, o ar automaticamente tem mais espaço para se expandir dentro do corpo. Estimativas apontam que este gás gerado nos passageiros ocupa um volume 30% maior do que em terra, o que explica a sensação de inchaço”, comenta Paola.

A relação deste problema com o medo de voar é que quando não soltamos os gases, eles podem causar dor no peito, nas costas, simulando até mesmo um infarto. E isso para uma pessoa ansiosa ou com aerofobia pode ser um gatilho importante para uma crise em pleno voo”, diz Paola.

Segurar ou soltar?

Essa é uma questão bem pessoal. Porém, a boa notícia é que as companhias aéreas investem em medidas para aliviar o desconforto gerado por este problema, como o uso de filtros de carbono no ar-condicionado para absorver cheiros. As empresas também procuram servir alimentos que contenham poucas fibras e muitos carboidratos, uma combinação que facilita a digestão.

De olho no prato

Paola explica que o ideal é cuidar da alimentação já na véspera da viagem, no dia e durante o voo.

Veja algumas dicas:

EVITE

Feijão e outras leguminosas (grão-de-bico, ervilha, etc.)
Brócolis, couve-flor, couve, escarola, espinafre, batata, batata-doce, mandioquinha, repolho, alho e cebola
Leite e queijos
Cerveja e refrigerantes
Milho
Gordura e frituras em excesso
Carne

APOSTE

Frutas
Água
Sucos naturais e chás
Carboidratos (bolachas, pães, etc.)

Segundo Paola, o segredo é fazer refeições leves ou até mesmo evitar comer antes do voo. “Um estudo de 2008 mostrou que o jejum pode ser a melhor saída para evitar o desconforto digestivo durante os voos, principalmente os mais longos. Além de ajudar neste aspecto, a pesquisa mostrou que isso contribui também para diminuir o jet lag, já que a alimentação está ligada ao nosso relógio interno”, conclui a especialista.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: Danielle Menezes

  
  

Publicado por em