Preço das passagens aéreas em 2009 alcança menor índice nos últimos 8 anos

Os dados são do relatório Yield Tarifa divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a partir de informações das empresas aéreas brasileiras.

  
  

O valor pago pelos passageiros para voar em 2009 nas principais rotas do Brasil foi o menor dos últimos oito anos: aproximadamente R$ 0,48 por quilômetro voado, em valores atualizados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE. Isso equivale a uma queda de 27,6% com relação a 2008 (R$ 0,66 por quilômetro voado) e de 39,2% em relação a 2003, quando o valor foi o mais alto desse período (R$ 0,78).

Os dados são do relatório Yield Tarifa divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a partir de informações das empresas aéreas brasileiras.

Segundo a ANAC ao contrário de outros países, onde o tráfego aéreo ainda sofre com a crise, o Brasil teve um ano excelente, com aumento de 17,7% na demanda por voos domésticos e queda de quase 28% nos preços das passagens. A participação crescente das companhias aéreas de menor porte no mercado brasileiro levou a tarifas mais baixas e isso motivou as pessoas usarem o avião como meio de transporte.

O preço médio da tarifa nestes voos domésticos foi de R$ 321,28 no ano passado, também o menor valor desde 2002, atualizado pelo IPCA.

No mês de dezembro, apesar da grande procura, o aumento da concorrência fez com que o preço por quilômetro voado fosse de R$ 0,44, um recuo em relação a novembro (R$ 0,49). A tarifa média no último mês de 2009 foi de R$ 300,59.

Para calcular o Yield Tarifa são considerados origem e destino do bilhete aéreo, independente das escalas e conexões, em 67 ligações domésticas entre capitais e cidades de médio porte, que estão previstas na Portaria DAC nº 447/DGAC/2004 .
(http://www.anac.gov.br/biblioteca/portarias/port447DGAC.pdf).

O indicador considera a quantidade de assentos comercializados em cada base tarifária, a distância entre a origem e o destino em quilômetros e a receita obtida pela empresa com as tarifas públicas de passageiros, aquelas compradas por pessoas físicas ou jurídicas no varejo, seja pela Internet, lojas e balcões das companhias aéreas, nas agências de viagens ou ainda por telefone.

Somente não fazem parte do Yield Tarifa as tarifas corporativas (negociadas entre as companhias aéreas e outras empresas), tarifas de fretamento (negociadas com as agências de turismo para pacotes de viagens) e assentos oferecidos gratuitamente ou com desconto diferenciado (para tripulantes, funcionários, crianças que não ocupam assentos, programas de milhagem e endosso de passagem).

Fonte: Secretaria de Esporte, Lazer e Turismo de São Paulo

  
  

Publicado por em