Tarifa de outubro é 45,4% menor que há nove anos

Na variação acumulada de janeiro a outubro de 2011, houve queda de 3,6%. O valor da tarifa média de outubro de 2011 representou pouco mais da metade (54,6%) do que era pago pelo passageiro há 9 anos, ou seja, ficou 45% menor que a praticada em 2002

  
  
Em relação ao mesmo mês de 2010, a Tarifa Aérea Média Doméstica de outubro de 2011 foi 4,5% superior

A Tarifa Aérea Média Doméstica (indicador que representa o valor médio pago pelo passageiro por uma viagem aérea em território brasileiro) foi de R$ 302,33 em outubro de 2011. Na variação acumulada de janeiro a outubro de 2011, houve queda de 3,6%. O valor da tarifa média de outubro de 2011 representou pouco mais da metade (54,6%) do que era pago pelo passageiro há nove anos, ou seja, ficou 45,4% menor que a praticada em 2002.

Em relação ao mesmo mês de 2010, a Tarifa Aérea Média Doméstica de outubro de 2011 foi 4,5% superior. Na comparação com setembro de 2011, o aumento foi de 5,3%.

O Yield Tarifa Aérea Doméstico (valor médio que o passageiro paga para voar 1 km em território nacional) de outubro de 2011 foi de R$ 0,3804. Quando comparado com outubro de 2002, observa-se que o passageiro pagou 39,2% (menos da metade) do valor que pagava há nove anos para voar 1 km.

Entretanto, o Yield apresentou alta de 5,6% em relação ao mesmo mês de 2010 e de 3,2% em relação a setembro de 2011. De janeiro a outubro de 2011, o Yield registrou alta acumulada de 0,5%.

Os valores apresentados são calculados com base nos dados das tarifas aéreas domésticas comercializadas pelas empresas aéreas, mensalmente registradas na ANAC, e são atualizados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), índice oficial utilizado pelo governo brasileiro para medir a inflação, até o mês mais recente apresentado no Relatório de Tarifas Aéreas.

São considerados os dados dos bilhetes de passagem do transporte aéreo doméstico regular de passageiros comercializados junto ao público adulto em geral, independentemente de escalas ou conexões, da antecedência de compra do bilhete, do dia do voo, do tempo de permanência do passageiro no destino e do canal de venda do bilhete aéreo. A ANAC não considera os bilhetes oferecidos gratuitamente, os decorrentes de programas de fidelização (milhas) e os vinculados a pacotes turísticos, as tarifas corporativas, as tarifas diferenciadas oferecidas a empregados da própria empresa aérea e as tarifas diferenciadas para crianças.

Fonte: ANAC

  
  

Publicado por em