Trens turísticos da Ferrovia Centro-Atlântica estão em plena fase de crescimento

O projeto foi inaugurado em maio de 2006, fruto de um investimento que reestabeleceu a ligação ferroviária entre Ouro Preto e Mariana

  
  
São quatro locomotivas fabricadas entre 1908 e 1919 / FCA

Cerca de 95 mil pessoas circularam pelos dois trens turísticos operados pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), no primeiro semestre deste ano. O movimento de turistas e moradores no Trem da Vale, entre Ouro Preto e Mariana, e a Maria Fumaça São João Del Rei-Tiradentes, foi 18% superior ao registrado nos primeiros seis meses do ano passado.

Para o gerente de trens turísticos da FCA, Marcos Teixeira, vários fatores explicam o bom resultado. “O Trem da Vale é uma operação nova, tem dois anos e está em plena fase de crescimento. Somado a isso, temos o bom momento que a economia brasileira está passando, que permite as pessoas viajarem mais e o trabalho de divulgação em feiras de turismo e participação em eventos turísticos que temos feito este ano”, afirmou.

A FCA, empresa controlada pela Vale, opera trens turísticos desde 2001 e já investiu R$ 55,7 milhões nos dois projetos. Neste período quase um milhão de turistas foram transportados nas quatro cidades históricas mineiras.

Além dos trens turísticos a Vale é hoje a única operadora ferroviária de cargas do Brasil que mantém projetos de preservação da memória ferroviária: são dois museus – Museu da Ferrovia, em Vitória, e o Museu Ferroviário de São João Del Rei.

Trem da Vale

O Trem da Vale foi o destaque do período. Foram transportados 35 mil turistas viajando no trem, contra as 28,4 mil pessoas transportadas em período equivalente de 2007, um crescimento de 24,2%.

O projeto foi inaugurado em maio de 2006, fruto de um investimento de R$ 48,5 milhões, que reestabeleceu a ligação ferroviária entre Ouro Preto e Mariana por meio de um passeio de Maria Fumaça.

O Trem da Vale tem parcerias institucionais com a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), prefeituras de Mariana e Ouro Preto, Ministério do Turismo e Ministério da Cultura.

Para isso, foram reconstruídos 18,7 quilômetros de ferrovia, adequou-se quatro estações existentes no percurso e restaurou-se uma locomotiva a vapor e sete vagões de passageiros. Paralelamente, o projeto iniciou, também, um programa inédito no país relacionado à Educação Patrimonial e ao incremento da atividade turística na região.

Com capacidade para 300 passageiros sentados, o Trem da Vale funciona toda sexta-feira, sábado, domingo e feriados, com duas saídas diárias de Ouro Preto e duas de Mariana.

Desde o início da operação, o Trem da Vale já transportou cerca de 150 mil turistas entre as duas cidades históricas mineiras.

São João Del Rei

Os números da Ferrovia Centro-Atlântica, responsável pela operação e manutenção da Maria-Fumaça, mostram que nos seis primeiros meses deste ano cerca de 60 mil turistas fizeram o passeio, número 15% maior que o registrado no mesmo período de 2007, quando pouco mais de 52 mil turistas embarcaram para uma viagem ao passado.

O trecho ferroviário entre as duas cidades foi inaugurado em 1881, pelo imperador D. Pedro II, tem 12 quilômetros percorridos em 35 minutos pelo trem centenário. Desde que a FCA assumiu a operação da Maria-Fumaça entre São João Del rei e Tiradentes, em 2001, foram investidos R$ 7,2 milhões. No mesmo período foram transportados cerca de 900 mil turistas.

Com capacidade até 320 passageiros sentados, a Maria-Fumaça de São João Del Rei funciona toda sexta-feira, sábado, domingo e feriados, com duas saídas diárias de São João Del Rei e duas de Tiradentes.

São quatro locomotivas fabricadas entre 1908 e 1919, nos Estado Unidos, pela Baldwin Locomotive Works, que puxam até 11 vagões fabricados no século passado e foram restaurados para a realização dos passeios turísticos entre as duas cidades.

Além do passeio da Maria-Fumaça, no Complexo ferroviário de São João Del Rei, ainda é possível visitar o Museu Ferroviário, onde estão preservadas quatro outras locomotivas fabricadas entre 1880 e 1919, e a Rotunda (uma espécie de garagem de locomotivas) onde estão em exposição mais 10 locomotivas movidas à vapor alemãs e norte-americanas.

Qualquer dúvida sobre a operação dos trens turísticos da FCA podem ser esclarecidas por meio do serviço telefônico Alô Ferrovias – 0800 285 700. A Ligação é gratuita.

Horários e informações:

Os trens a vapor de São João Del Rei a Tiradentes, os únicos do mundo de bitola de 0,76 m, circulam às sextas-feiras, sábados, domingos e feriados nos seguintes horários:

Partida de São João: 10h e 15h

Partida de Tiradentes: 13h e 17h

O Trem da Vale também é puxado por uma locomotiva a vapor, fabricada em 1949, que circula às sextas-feiras, sábados, domingos e feriados nos seguintes horários:

Partida de Ouro Preto: 11h e 16h

Partida de Mariana: 9h e 14h

Museu Ferroviário de São João Del Rei
Visitação: terça a domingo, de 9h às 11h e de 13h às 17h.
Nos meses de Janeiro e Julho o trem circula de terça a domingo.

Fonte: Ernesto Batista / Assessoria de Imprensa FCA

  
  

Publicado por em

Fabrício Coqueiro

Fabrício Coqueiro

20/11/2012 15:46:27
Num país de necessidades ferroviárias continentais, termos apenas um trem de passageiros ativo ( Vitória - Minas ) e outros dois com finalidade turística configura-se um cenário de faz de conta ! Que planeta é este ? Brasil.

Luís Fernando - Três Corações, MG

Luís Fernando - Três Corações, MG

20/04/2012 14:30:24
As viagens de trem são mesmo inesquecíveis. Só viajando para sentir a emoção. É uma pena que no Brasil não temos o direito de escolher esse transporte para viagens. Temos que contentar com os poucos trens turísticos. As próprias operadoras deveriam, hoje, investir nesse modal. A FCA tem tantos trechos de potencial turístico que poderiam ser reativados e com certeza dariam um bom retorno, mas ... talvez tenhamos que redescobrir o Brasil, recomeçar a história e esperar um "novo Barão de Mauá" empreendedor.

Rubens barro

Rubens barro

05/06/2011 10:47:54
A Polícia Ferroviária Federal foi criada 1852, durante o Império de D. Pedro II, e regulamentada pelo Decreto 1930, de 26 de abril de 1857, sendo assim, a primeira polícia especializada do país.
Naquela época, as ferrovias eram o principal meio de transporte de cargas do país, tendo imensa importância para a economia nacional. Com o passar dos anos, a maioria das ferrovias brasileiras foi extinta ou privatizada.
A Constituição Federal de 1988 igualou a Polícia Ferroviária Federal aos demais órgãos da Segurança Pública em seu art. 144, 3: A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais.
Como podemos observar a Polícia Ferroviária Federal exercia funções de polícia administrativa, como a fiscalização das ferrovias federais, através do patrulhamento ostensivo, o qual tem a finalidade de realizar o policiamento e a fiscalização das ferrovias federais.
O Historiador Adinalzir Pereira Lamego (2007, p. 01)[1] relata a atual situação da PFF:
Hoje, 155 anos depois, ela ostenta outro título, com bem menos glamour: o de menor polícia do mundo. A privatização das ferrovias brasileiras, em 1996, atirou definitivamente a Polícia Ferroviária Federal (PFF) no esquecimento: poucos sabem que ela existe, apesar da previsão constitucional. O efetivo de 3,2 mil homens antes das concessões se reduziu a 780, para fiscalizar 26 mil quilômetros de trilhos, destinados ao transporte de carga. (...)O último concurso para a corporação vai completar 18 anos e todo os seus agentes têm mais de 40 anos. (...) Seus comandados, depois das concessões das ferrovias, foram distribuídos para os ministérios dos Transporte e das Cidades. Hoje, parte deles fiscaliza o transporte de carga e outra, os trens de passageiros urbanos.
O Departamento de Polícia Ferroviária Federal, assim como o Departamento de Polícia Rodoviária Federal, fazia parte do Ministério da Justiça. Porém, nos últimos anos, sofreu um processo de esvaziamento institucional, e acabou deixando de fazer parte do MJ, sendo seus servidores remanejados aos Ministérios das Cidades e dos Transportes.
A PFF já foi chamada de Polícia dos Caminhos de Ferro, depois se transformou em Polícia das Estradas de Ferro, atualmente, é apelidada de menor polícia do mundo (LAMEGO, 2007).
Então, a instituição de polícia especializada mais antiga do país está deixando de existir, tendo em vista que seus funcionários acabaram aposentando-se e o quadro funcional não foi reposto, sendo o último concurso público para a instituição realizado em 1989. (esta intituiçao centenaria e seus agentes aguardam uma posiçao até hoje ,do órgaõ competente pra iniciar seus trabalhos . abraço a todos

Antonio Camargo

Antonio Camargo

24/09/2008 18:16:16
A nostalgia é algo que podemos curtir de forma fantástica com essa viagem, imaginar que tudo era feito de forma calma , sem correrias e acima de tudo com aquela tradicional educação do "povo da regiao".Eu nos aureos anos da Maria Fumaça, tive um avó que foi maquinista de uma desta maravilhosas maquinas, e me recordo das minhas férias em sua compania e meus passeios em patios de manobras.
Amo ir a Sao Joao Del Rey e fazer este trajeto,se vc tiver alguma duvida quanto a este prazer desta viagem, venha e depois deixe sua mensagem.

Amélia Camargo

Amélia Camargo

23/09/2008 15:36:04
Eu fiz este passeio de São João Del Rei a Tiradentes, na minha opinião e expectativa esperava mais, foi no mês julho, apesar de ser um Trem bem antigo a manutenção nas poltronas estavam a desejar e o visual a paisagem que é um trajeto pequeno tinha muita poluição e pelo fato de ser lento não há outra opção se não ver tudo em volta.