MTur divulga resultado da seleção de projetos de Turismo de Base Comunitária

Ação pretende fortalecer iniciativas no segmento

  
  

Como forma de fortalecer, estruturar, organizar e promover as iniciativas de Turismo de Base Comunitária (TBC) e inseri-las no mercado, o Ministério do Turismo (MTur), em parceria com o Instituto Casa Brasil de Cultura (ICBC), lançou, no dia 5 de janeiro de 2010, um concurso para a seleção de projeto de exposição para a II Mostra de Turismo de Base Comunitária do V Salão do Turismo – Roteiros do Brasil, que acontecerá de 26 a 30 de maio de 2010, em São Paulo (SP). Foram selecionadas propostas de três concorrentes, entre elas a Coralina Cultura e Cenografia, Essência Marketing LTDA e Will Marketing. Os prêmios variam entre R$ 10 mil, R$ 5 mil e R$ 3 mil para o primeiro, segundo e terceiro colocado, respectivamente. Ao todo, seis projetos foram apresentados.

Os critérios de julgamento foram clareza e qualidade do projeto; coerência entre proposta, cronograma e orçamento; diversidade da criação artística, originalidade, inovação, utilização de meios audiovisuais; criatividade; economicidade; utilização de materiais adequados à preservação ambiental; e relevância para o desenvolvimento das iniciativas de TBC no âmbito do MTur, por meio da associação dos destinos turísticos à oferta dos produtos e serviços de TBC.

Os projetos foram selecionados por uma banca composta por dois representantes do MTur com perfil de gestão de projetos e análise técnica em instalações de exposição artística e outro com experiência em projetos de eventos e de comercialização do turismo. E, ainda, por um representante do ICBC com experiência em execução e logística de exposição de stand e eventos. A banca foi composta também por dois representantes dos projetos de Turismo de Base Comunitária apoiados pelo MTur da Associação de Estudos Costeiros e Marinhos (Ecomar) e da Associação das Mulheres do Pesqueiros.

O próximo passo é a escolha de um único projeto, para a possível celebração de um contrato com vistas a execução da exposição. O autor da proposta finalista receberá, além da premiação, R$ 10 mil para o desenvolvimento de um projeto executivo da exposição.

O custo estimado para a execução total do projeto será de R$ 400 mil para a realização de três exposições de 100m² cada. A primeira acontecerá durante o V Salão do Turismo e as outras serão definidas posteriormente.

Conheça as propostas vencedoras:

1° lugar: Coralina Cultura e Cenografia

A proposta denominada “Expointerativa” propõe um espaço onde o visitante terá a oportunidade de vivenciar um fragmento da experiência do Turismo de Base Comunitária. O turista escolhe o lugar, a viagem, o destino, mas não escolhe o conteúdo da experiência que se aproxima. Como se as comunidades envolvidas se constituíssem em diversos pacotes de surpresas a serem descobertas.

A identidade visual foi baseada em um pacote postal, com selos, destinatários, remetentes e carimbos. Ao entrar no pacote postal gigante, o visitante poderá, mesmo de longe, desbravar o desconhecido por meio da experiência de se envolver com os povos do Brasil como agente transformador a ser transformado pelo envolvimento e pela responsabilidade social.

A proposta visa promover a interação do visitante com os projetos. As ferramentas são diversas e distribuídas em três ações principais e uma opcional entre labirinto, cine e guia turístico interativo e selos postais.

2º lugar: Essência Marketing LTDA - ME

A partir da ideia de que o turista busca no Turismo de Base Comunitária uma experiência singular com a história da comunidade visitada, a Marqueteria desenvolveu uma proposta em que se propõe a interação via livro. O livro simboliza e materializa a história das comunidades. Por meio da proposta, o visitante poderá conhecer e interagir com imagens e informações dos projetos.

3º lugar: Will Marketing

A proposta segue a ideia da I Mostra de Turismo de Base Comunitária, na qual foi trabalhado o conceito do ciclo de transformação da borboleta. A exposição trouxe a trajetória do casulo que se transforma em borboleta, renova-se e abre asas para voar em outras direções. Uma comparação às pequenas comunidades que transformam os destinos turísticos com a sua atuação ao gerar renda com sustentabilidade e ofertar produtos turísticos de qualidade.

Agora a proposta é reaproveitar os materiais colocando borboletas roxas de vários tamanhos em tubos dobráveis com 30 pontos de luz para iluminar os projetos. As borboletas significam o segundo momento. Do casulo, a lagarta atingiria a maturidade, tornando-se uma borboleta pronta para alcançar voos e dar continuidade ao ciclo.

Os materiais dos projetos seriam expostos em caixas. Dentro das caixas, haveria TVs de plasma ou materiais cedidos pelas entidades. Pequenas borboletas feitas com latas decorariam o ambiente.

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em