São Paulo: a capital mais cosmopolita do Brasil

A principal característica da capital econômica do Brasil é a mistura de raças e de culturas. De comércio a lazer, a cidade possui inúmeras opções de preço e endereço para todos os gostos e bolsos

  
  
Museu do Ipiranga em São Paulo

São Paulo é uma cidade fascinante por fornecer acesso a tudo o que se pode imaginar. De comércio a lazer, o município possui inúmeras opções de preço e endereço. A característica mais marcante é, sem dúvidas, a mistura de raças, nacionalidades e naturalidades.

O convívio entre seus mais de 10 milhões de moradores, com diferentes culturas e costumes, deu a São Paulo o ar receptivo que hoje é sinônimo da capital econômica do Brasil. É difícil, por exemplo, eleger um prato que seja tipicamente paulista, porque a raiz cultural dessa cidade é, justamente, o mix de tudo.

A imensa metrópole que conhecemos hoje teve o início de sua história em 1554, com a construção de um colégio jesuíta entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí. O colégio, criado para catequizar os índios que ali viviam, foi o ponto de partida para o surgimento de moradores na região. Após a independência do Brasil, em 1822, a expansão da produção do café e o crescimento das ferrovias que ligavam a capital ao interior já eram os primeiros sinais da vocação econômica da região.

Durante a Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945, a cidade obteve grande crescimento, como consequência das restrições ao comércio internacional, que se manteve elevado mesmo no período do pós-guerra e foi fundamental para que a cidade assumisse definitivamente sua característica de locomotiva do Brasil.

"São Paulo tem variedade para todos os gostos e orçamentos", afirma o designer gráfico Mário Moreno, 30, ao eleger regiões distintas como as suas preferidas: Avenida Paulista e Rua Augusta, Vila Madalena e Pinheiros, e o Jardim Botânico da capital.

A ideia que se tem sobre São Paulo, hoje, é a de que nela todos vivem em ritmo frenético, em busca de grandes resultados econômicos. Na realidade, “a cidade que não para” ganhou esse apelido por inúmeras razões, dentre elas a vida cultural, gastronômica e histórica. É possível afirmar que em todos os dias do ano há alguma atividade para se realizar em São Paulo, relacionada a shows, peças de teatro, palestras, eventos e etc., e o melhor de tudo, de graça. Além disso, a cidade é repleta de pontos turísticos, divididos em roteiros urbanos, religiosos, esportivos, arquitetônicos e muitos outros.

Para traçar um roteiro turístico na capital, o primeiro passo é pensar que São Paulo é enorme, dividida em cinco regiões e coordenada por diversas subprefeituras. Assim, um tour para conhecer bem a cidade exige um pouco mais de tempo. A alternativa é dividir os passeios de acordo com o “gosto do freguês”, para que o resultado seja prazeroso. "Um passeio de carro por São Paulo, mostrando suas ruas, construções e ligações também é interessante. Foi mais ou menos isso o que eu apresentei para um amigo de Recife, quando veio pela primeira vez à cidade", afirma o paulistano André Pereira Salgueiro, 25.

A imagem de prédios e carros que se tornaram cartão postal da capital não resume o que ela oferece. A cidade guarda riquezas em suas áreas verdes, como o Parque Burle Marx, criado para integrar uma casa projetada por Oscar Niemeyer na década de 1950; ou o Solo Sagrado de Guarapiranga, que conserva parte da Mata Atlântica brasileira, ambos localizados na zona sul da cidade. No centro, a riqueza arquitetônica das grandes construções é o que está em evidência, encontrada, por exemplo, no Mercado Municipal, inaugurado em 1933.

Na zona leste, alguns dos destaques são a Capela de São Miguel, igreja mais antiga da cidade, e o Memorial do Imigrante, no bairro do Brás, como importante relíquia histórica da cidade. As zonas oeste e norte dividem-se em atrações, como a Feira da Praça Benedito Calixto, para a comercialização de antiguidades e produtos artesanais, e o Parque Estadual da Serra da Cantareira, região pródiga em áreas verdes. O entorno da Avenida Paulista e o bairro do Jardins se divide em turismo de consumo, em importantes centros de compras luxuosos, concentrados principalmente na Rua Oscar Freire; e cultural, a exemplo do Museu de Arte de São Paulo, a Casa das Rosas ou o Museu Brasileiro da Escultura.

Dentre os apelidos que São Paulo ganhou, um deles é o da capital da gastronomia. Não por menos, com cerca de 12,5 mil restaurantes, de 52 nacionalidades, etnias e regionalidades, apresentando as mais diversas influências dos temperos tipicamente brasileiros às tendências internacionais da cozinha contemporânea. A cidade também possui incontáveis restaurantes fast food, especialmente lanchonetes, desde as de redes internacionais até as mais sofisticadas. Da culinária japonesa à italiana, passando por churrascarias e botecos, São Paulo satisfaz qualquer paladar e isso é uma certeza para os que vivem na cidade. É impossível visitar a capital paulistana sem elogiar a sua gastronomia.

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em

Sergio

Sergio

14/03/2012 09:32:47
São Paulo é mesmo um lugar fascinante de se conhecer. E é justo a diversidade que torna a cidade um lugar como nenhum outro no Brasil e poucos no mundo. Falar que tem um lado chocante é falta de visão para o belo que se pode descobrir mesmo em meio ao cotidiano. Ou quem viu andarilhos em S. Paulo nunca os viu antes em qualquer outro lugar? A cidade tem uma vida em movimento constante, dia e noite, opções para todos os gostos e estilos, excelente gastronomia e uma aura de autonomia que paira sobre a cidade que não para.

Terezinha Malaquias

Terezinha Malaquias

09/03/2012 19:09:06
Eu sei que a minha querida cidade de São Paulo tem problemas como qualquer outra do mundo, mas a amo. Mais do que qualquer cidade São Paulo é simplesmente linda, cultural, internacional e faz moda. Moro no Sul da Alemanha, numa linda cidade turística, tranquila e calma. Mas o meu amor maior é e sempre será São Paulo!

Terezinha Gonzaga

Terezinha Gonzaga

03/03/2012 11:25:53
Sinto muito, mas tem o outro lado que é chocante. É a cidade mais cara do mundo, tem mais de 13.000 moradores de rua, uma periferia com muitos, mas muitos pobres. Cerca de 20% dos domicilios são precários ou são favelas. Fico impressionada com o contraste entre ricos e pobres, no mesmo espaço que passa um carro importado você vê 100 andarilhos. É o retrato da desigualdade brasileira. Isso, além, dos prédios abandonados no centro.