Caruaru. Os Senhores do Barro e seus artesanatos - Alto do Moura é parada obrigatória na capital do Agreste

É no agreste de Pernambuco, na cidade de Caruaru que se localiza o maior centro de artes figurativas das Américas - mais precisamente no bairro Alto do Moura.

  
  
Alto do Moura

No agreste, em direção ao Sertão de Pernambuco, o Alto do Moura - bairro do município de Caruaru - localiza-se o maior centro de Artes Figurativas da América Latina, título concedido pela UNESCO.

Local simpático e de pessoas simples e hospitaleiras, quase tudo lá gira em torno do barro e seus artesãos.
São obras em forma de bonecos de barro feitos artesanalmente que retratam o folclore e cultura do povo nordestino.
Esta retratação ficou conhecida entre especialistas como arte figurativa.

O Alto do Moura atrai milhares de turistas de todas as regiões do Brasil e do exterior, principalmente quando acontece a tão famosa Festa de São João do Caruaru.

Ofício passado de geração para geração, praticamente toda casa é um ateliê e todo morador é um artesão, com seu estilo próprio.

Casa Museu Mestre Vitalino

Seu precursor, Mestre Vitalino (1909-1963), começou a modelar bonecos aos seis anos de idade, que eram os seus brinquedos quando criança e foi o primeiro artesão da comunidade a ganhar reconhecimento nacional e internacional.

Segundo seu filho Severino Vitalino, a comercialização desses bonecos começou por acaso, pois sugeriram que ele (seu pai) levasse seus bonecos para vender na feira da cidade (Feira de Caruaru).

Artesanato no Alto do Moura

Como tempo, outros artesãos surgiram - Mestre Zé Caboclo e Mestre Manuel Eudócio, último remanescente vivo e titulado como Patrimônio Vivo de Pernambuco.

Ganharam reconhecimento e aos poucos os três foram a base de tudo o que vimos hoje, principalmente quando falamos da Feira de Caruaru - patrimônio imaterial do Brasil - onde foi e ainda é comercializado uma parte da produção do Alto do Moura.

Artesanato no Alto do Moura

Pernambuco é o primeiro estado brasileiro a instituir, no âmbito da Administração Pública, o Registro do Patrimônio Vivo, que reconhece e gratifica com uma pensão vitalícia mensal, representante da cultura popular e tradicional do Estado.

A importância desses Mestres e suas obras foram primordiais para o desenvolvimento da feira e da própria cidade de Caruaru.

Naquela época tudo era muito difícil e complicado. Não havia perspectivas de progresso e mais uma vez o talento, sensibilidade e criatividade falaram mais alto.

Hoje são quase 50 lojas de artesanatos variados e mais de mil (1000) artesãos, que comercializam suas obras com valores justos (falar em valor é algo dissonante quando nos referimos à arte), e que atraem centenas de milhares de turistas todos os anos, movimentando milhões de reais.

Senhores do Barro

Mestre Luiz Galdino e mestre Manuel Eudócio, remanescentes e discípulos de Mestre Vitalino, assim como muitos outros artesãos, produzem verdadeiras obras de artes baseadas tão somente na sua imaginação.

Mestre Manuel Eudócio - último remanescente vivo e titulado como Patrimônio Vivo de Pernambuco

Mestre Manuel Eudócio, que estava se saída, abre as portas de seu ateliê e mostra toda sua simpatia e simplicidade.
Conta que certa vez encomendaram uma estátua.

Obra de Manuel Eudócio presenteou o Papa Bento XVI

Ele o fez. Meses depois, ele recebeu uma foto onde mostrava o Papa Bento XVI admirando sua obra. Ao ver aquilo, perguntou: “Por que não disseram que era para presentear o Papa?”. E responderam: “Se nós falássemos o senhor cobraria mais que o dobro”, e então Eudócio sorriu.

Severino Vitalino - Casa-Museu Mestre Vitalino

Casa-Museu Mestre Vitalino

Outra lenda viva do artesanato é Severino Vitalino, que nasceu no sítio Campos-PE em 1940. Ainda criança se mudou com sua família para o Alto do Moura em Caruaru, onde vive até hoje.
Severino é filho do mestre Vitalino e continuador de sua obra.

Com o mestre pai (Mestre Vitalino), Severino aprendeu a modelar o barro. Desde muito pequeno já ajudava seu pai a fazer as pecinhas de barro; até hoje faz questão de manter o estilo do pai.

Severino Vitalino

Aos 70 anos, está em plena atividade. Na antiga casa do seu pai no Alto do Moura hoje funciona a Casa Museu Mestre Vitalino que foi a residência onde o mais famoso artesão de Caruaru viveu durante seus últimos anos de vida. Nela estão expostos objetos de uso pessoal do artista, móveis e utensílios, ferramentas de trabalho, fotos da família, instrumentos musicais tocados pelo Mestre e peças de artesanato feitas pelo pai, Mestre Vitalino.

Severino vive das peças que produz, além do salário que recebe da Prefeitura de Caruaru para tomar conta da Casa-Museu Mestre Vitalino, local onde trabalha e recebe os visitantes, contando histórias sobre seu pai com muita satisfação.

Com sua arte, Severino Vitalino participou, em 1998, de uma feira internacional de artesanato em Portugal, juntamente com artesãos de mais de 100 países, durante 15 dias.

Certa vez foi encomendado a Severino Vitalino uma imagem de Nossa Senhora com seu filho Jesus morto em seus braços, após a crucificação.
Ao entregar a estátua, a pessoa que encomendou estranhou ao ver uma criança nos braços de Nossa Senhora e indagou o porquê uma criança se a imagem era para mostrar Jesus.

Artesanato no Alto do Moura

Mestre Severino Vitalino foi enfático: “porque para uma mãe, um filho sempre será uma criança”.


Além do artesanato do barro, o Alto do Moura é forte por seus restaurantes e bares especializados na culinária regional pernambucana. A região é famosa pelos pratos feitos com a carne de bode, que desperta o interesse tanto dos residentes quanto dos turistas.


Informações úteis

Como chegar a Caruaru

Distâncias de outras cidades
• Recife - 134 km

• Petrolina - 583 km

• Gravatá - 52 km

• Bezerros - 25km
• Garanhuns - 100 km

• Brejo da Madre de Deus- 50 km

Informações Turísticas

Fone: (081) 3721.9983

  
  

Publicado por em