Velho vinil vira atração como arte visual pantaneira

Pantanartes faz agendamento para grupos turísticos em Campo Grande. Visitação é gratuita.

  
  
Divulgação

O velho e bom disco de vinil, que reinou nos aparelhos de som em todo o mundo por pelo menos três décadas, começa a ganhar novo sentido artístico a partir da criatividade de talentos da cultura sul-mato-grossense. Em Campo Grande, o tradicional Long Play (LP) está deixando de ser uma obra sonora para transformar-se em arte visual ou mesmo acumular as duas atribuições simultaneamente.

A iniciativa é do Pantanartes – Espaço Cultural, que encomendou pelo menos 50 pinturas em vinil para artistas plásticos regionais. A coleção pode ser conferida na sede do Pantanartes, que fica na Rua Eduardo Santos Pereira, 1231 – entre as ruas Brasil e 25 de Dezembro, no Bairro Monte Castelo. A entrada é gratuita.

Divulgação

As pinturas foram realizadas sobre LP´s que, em sua maioria, já não apresentavam condições mínimas de reprodução sonora em toca discos (pick-ups). “Dessa forma, o objeto ganha uma nova e durável utilização e serve como um canal de exteriorização da cultura pantaneira, através da retratação de imagens do homem e da fauna e flora regionais”, explica o diretor do Pantanartes, Haroldo Maiolino.

No entanto, alguns long plays ainda apresentam condições de reprodução em um dos lados, mesmo com a pintura aplicada do lado oposto. “Dessa forma temos duas vertentes artísticas sobre um mesmo canal de expressão criativa”, explica.

Divulgação

Na época em que reinou absoluto no mundo musical, o vinil tinha uma relação com a arte visual pelas possibilidades do exercício de criatividade em capas, encartes e, em menor grau, no seu miolo. “Agora esta relação se amplia e pode-se até cogitar da possibilidade de lançamentos de novas obras neste novo formato”, comenta Maiolino.

A aplicabilidade da arte visual sobre um objeto originalmente ligado à arte musical tenta revelar o quanto é possível transcender a natureza de sua criação e estabelecer uma nova opção artística sobre um mesmo corpo físico. “Estamos abrindo espaço para expor a criatividade do nosso artista plástico e permitir que ele experimente novas possibilidades”, comenta o diretor do Pantanartes.

Divulgação

A visitação gratuita de todo o acervo do Pantanartes pode ser feita de segunda à sexta das 9 às 18 horas e aos sábados das 9 às 12 horas. O local também recebe a visitação de grupos corporativos, de escolas e faculdades, além de receptivo a turistas. Agendamento e mais informações podem ser obtidos com a direção do espaço cultural pelo fone (67) 3306-2764 ou pelo e-mail (msn): pantanartes@hotmail.com.

Fonte: Mesquita Comunicação

  
  

Publicado por em

Eliane Góes

Eliane Góes

19/05/2011 21:33:00
Vale a pena ir conferir,ambiente agradavel espaçoso,muito bom.E se tratando de Haroldo Maiolino tudo se torna belo

Léa

Léa

15/02/2011 14:27:50
Muito legal! Adoro artesanato e sou super fã de reaproveitamento de materiais! Vou divulgar a obra prima no meu site! Parabéns, primo!

LIA SARTORI

LIA SARTORI

04/11/2009 22:53:01
Achei muito bonita a ideia de fazer arte com os discos de vinil. Há um ótimo reaproveitamento desses materiais e preserva a natureza.... também faço arte com material reciclável ... e escrevo em meu blog: http://liasalvandoterra.blogspot.com - sobre arte basta colocar o meu nome no Google: LIA SARTORI ;
Vivo em SANTA MARIA/RIO GRANDE DO SUL/BRASIL
meu e-mail: sartorilia@terra.com.br