Brasileiros se prepararam para o Rally do Sertões

A partir desse ano, o Rally Internacional dos Sertões PLP entra para o calendário mundial de rali cross-country para carros e caminhões. Com isso, as preparadas equipes européias trarão suas tecnologias de última geração .

  
  

A capital goiana já começa a se preparar para receber o 16º Rally Internacional dos Sertões PLP. O segundo maior rali do mundo largará no dia 17 de junho, onde após 4.735 quilômetros com os mais diversos obstáculos off-road, terá destino a cidade de Natal, RN. Seis estados serão percorridos, sendo Goiás, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte.

A previsão é que as equipes inscritas comecem a chegar a Goiânia a partir do dia 12 de junho. Os boxes serão montados em uma grande área aberta em frente ao Shopping Flamboyant, no bairro Jardim Goiás.

Além dos brasileiros, está confirmada a vinda de competidores do Chile, Portugal, Polônia, Bélgica, Argentina, Catar, Suécia, Estados Unidos, África do Sul, Alemanha, Espanha, França, Uruguai e Austrália.

Esse ano, o Rally dos Sertões valerá como etapa do Campeonato Mundial de Rally Cross-Country para carros, caminhões, além de motos e quadriciclos. Com isso, as maiores feras do cross-country mundial se enfrentarão em busca dos melhores tempos. São 168 veículos inscritos: 93 motos, nove quadriciclos, 57 carros, nove caminhões, deste número, 38 são competidores dos países já citados.

Na oficina da equipe Reijers, representada pelo piloto Roberto Reijers e o navegador Rogério Almeida, os mecânicos trabalham incessantemente para finalizar os acertos da Ford Ranger. O carro que saiu original de fábrica em 2006, passou por um processo de adaptação para tornar-se um veículo de competição, e este ano, participará pela quarta vez do Sertões (entre outras provas pelo Brasil a fora).

E para manter a picape competitiva, algumas mudanças mecânicas começaram a ser realizadas a partir de janeiro de 2008. O motor é um MWM International 3.0, 4 cilindros, com potência de 275 cavalos a 4.000 rpm e torque é de 65 kgfm. É forte mesmo!

O chassi também permaneceu original, mas o câmbio passa a ser seqüencial Sadev de 6 marchas, com diferencial central. A suspensão é Four Link com dois amortecedores Fox e molas Eibach. A suspensão dianteira é do tipo bandeja, também com dois amortecedores. As homocinéticas da tração dianteira foram reforçadas para gerar mais confiabilidade.

“Nosso time está bem preparado e motivado. Vamos para a prova com sete pessoas nas funções de mecânicos, motoristas e cozinheiro, mais dois carros de apoio, um motor-home e um caminhão oficina. Está tudo bem planejado, e com o trabalho que desenvolvemos desde o início do ano, só podemos esperar um bom resultado”, declarou Reijers.

Apesar de o Brasil ter excelentes pilotos e navegadores, Reijers tem consciência de que as equipes européias têm um orçamento e nível tecnológico muito superior ao dos brasileiros. “Acredito que para o evento, a chegada do Mundial por aqui é bem positiva, mostra que temos muito a oferecer para os participantes do campeonato internacional. E para não decepcionar nossa torcida, nos preparamos bastante para estarmos sempre no primeiro pelotão da corrida. Será uma missão difícil, mas não impossível”, falou bastante otimista Reijers.

Piloto e navegador tem se preparado fisicamente, com caminhadas, alimentação saudável e musculação. Além disso, a dupla tem treinado as habilidades técnicas que possuem em uma pista de treino particular.

O Rally dos Sertões é o desafio mais esperado do ano pelas equipes, que são atraídas pelo clima de aventura e suspense, pois quando largam para cada especial, de no mínimo 130 quilômetros, não sabem o que vão encontrar pela frente. Em alta velocidade, superam os mais variados obstáculos do fora-de-estrada. Ousadia e cautela são duas características opostas que precisam ser utilizadas a todo o momento numa disputa como essa.

Fonte: Assessoria de Imprensa Equipe Reijers

  
  

Publicado por em