Escale um vulcão (ativo) no México

Subir um vulcão não é tarefa fácil, ainda mais ele tendo 2 mil metros de altura. Para alcançar o cume, são necessárias cerca de 3h de caminhada, mas a vista é fantástica. Ao final do dia a mistura da lava incandescente com o pôr-do-sol é magnífico

  
  
Ver um vulcão a entrar em erupção é uma experiência fantástica – Vulcão Pacaya no Guatemala

Ver um vulcão entrar em erupção é uma experiência fantástica. No Sul do Guatemala, você pode sentir de perto o calor de uma erupção, subindo até ao cume do Pacaya (Volcán de Pacaya) para uma espetacular visão do vulcão. E para isso, nem precisa ser louco! Todos os dias, são feitas visitas guiadas até ao topo do Pacaya, altamente ativo, proporcionando aos viajantes aventureiros uma oportunidade de ver a Mãe Natureza na sua máxima força.

O Pacaya está localizado há cerca de 30 km a Sul da Cidade da Guatemala e a uma distância curta de carro de Antígua, uma bela cidade colonial, hoje classificada como Patrimônio da Humanidade. Antigamente, esta cidade era a capital do reino espanhol da Guatemala, que incluía o Sul do México e a maior parte da atual América Central. Antígua, encontra-se rodeada por três magníficos vulcões não ativos: Agua, Fuego e Acatenango – todos eles são boas opções para uma caminhada (trekking). Devido à sua localização, Antígua foi atingida por vários terremotos violentos ao longo dos séculos. Essas demonstrações de força da Natureza determinaram a mudança da sede do governo para a Cidade de Guatemala, em 1776.

Ao contrário da nova capital, Antígua manteve a sua graça e encanto, com dezenas de igrejas e mosteiros misturados com casas coloniais coloridas, ao longo das ruas de pedra. A cidade organiza anualmente um dos festivais da Semana Santa mais vistosos, quando ruas inteiras são transformadas em obras de arte com tapetes de serradura e flores multicolores. As procissões e os enormes bonecos alegóricos são, por si só, inesquecíveis.

Contudo, subir ao vulcão não é tarefa fácil, uma vez que ele tem 2.560 metros de altura. Para alcançar o cume, são necessárias de duas à três horas de frustrante caminhada, aparentemente do tipo “um passo à frente e dois a trás”, por entre lava negra e campos de cascalho solto. Existem dois caminhos para o topo e os grupos organizados preferem a opção mais fácil, partindo de San Francisco de Sales. Muitas subidas são organizadas de forma a que se chegue ao cume do vulcão com bastante tempo para desfrutar do pôr do sol e do impacto total do contraste entre a lava vermelha em erupção e o céu a escurecer.

Assim que a caminhada tiver início, se escuta os sons abafados, ligeiramente sinistros, semelhantes aos dos trovões, mas na realidade, são as erupções lá no alto do vulcão. E, caso precise de mais avisos de que esta não é uma excursão 'normal', os vestígios quentes e fumegantes de erupções recentes começam a traçar o caminho à medida que se aproxima do cume ativo: o Cone McKenney. Debaixo dos seus pés, as coisas começam a se aquecer e a necessidade das botas de caminhada com sola grossa fica evidente.

Num dia de céu limpo, a vista é fantástica. A boca do vulcão ferve e borbulha, cuspindo lava vermelha para os lados, e manda, de forma intermitente, torrentes de lava para o ar, chegando a atingir os 100 metros de altura. O cheiro de enxofre está em todo lado. Além do magnífico espetáculo pirotécnico de Pacaya, os picos cônicos e em silhueta dos três outros vulcões de Antígua proporcionam uma paisagem de fundo esplêndida. À medida que o crepúsculo avança para a noite, a lava incandescente desce lentamente pelos lados do vulcão. Para quem aprecia o espetáculo, mas prentennde dormir num local tranquilo, chegou a hora de descer.

Fonte:Destinos de Viagem

  
  

Publicado por em

Carlos Bender Azambuja

Carlos Bender Azambuja

13/04/2014 21:19:26
Há tempo não escalo vulcões. Estes da América Central devem ser peculiares e de muita aventura (monitorada) pelo que soube.