Espírito Santo reúne atrativos para esportes radicais, pesca oceânica e mergulho

O Espírito Santo é o cenário perfeito para a prática de rafting, bóia-cross, canoying, floating, rapel, montanhismo, off road e outros esportes radicais

  
  

O Espírito Santo é o cenário perfeito para a prática de rafting, bóia-cross, canoying, floating, rapel, montanhismo, off road e outros esportes radicais. Sua formação física e geológica favorece o turismo de aventura.

Vôo Livre

Alfredo Chaves, um dos principais pontos turísticos da região serrana, possui riquezas naturais fantásticas: cachoeiras, montanhas, rios e temperatura amena que facilitam a prática de esportes radicais, como o vôo livre de parapente em uma rampa natural com vista para o litoral.

Para a prática de trekking, escaladas e mountain bike, o destino é o Parque Municipal do Itabira, em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado.

Rafting do Rio Jucu

Domingos Martins, Vila Velha e Pancas apresentam lugares especiais para esportes como rapel, alpinismo, rafting e canoagem.

Mergulho e Pesca

A pesca oceânica e os esportes náuticos são destaques no Espírito Santo. Pescadores do mundo inteiro são atraídos pela quantidade e tamanho dos peixes do litoral do Estado. Considerada a capital mundial do marlin, Vitória tem dois recordes internacionais pela captura de marlim azul e branco: o recorde mundial de marlim azul é um peixe de 636 quilos, que foi capturado em fevereiro de 1992, em Vitória. O recorde do marlim branco é um peixe de 82,5 quilos, capturado em dezembro de 1979, também em Vitória.

Velejadores de laser, hobbie Cat e pequenas embarcações encontram raias privilegiadas por correntes e ventos no litoral capixaba.

Mergulho em Guarapari

Famosas pela pureza das águas e diversidade de espécies, as praias de Guarapari são indicadas para o mergulho esportivo. Além da vida marinha, vale observar os pontos de naufrágios. Entre as ilhas Rasas e Escalvada estão os restos do navio Victory 8-B, afundado de forma controlada para servir de recife artificial.

Outro navio naufragado ali é o Bellucia que, em 1903, chocou-se contra a ilha Escalvada e partiu-se em dois. O navio de aço foi construído na Inglaterra em 1888. Era movido à vapor, tinha 102 metros de comprimento e 2.730 toneladas. Navegava com um carregamento de café a 14 km do porto de Guarapari quando, por um problema nas máquinas, perdeu força e ficou a deriva.

Correntes e ventos moderados são normais na região, os que devem ter empurrado o Bellucia levando-o a abalroar contra a baixa (pedra submersa) onde ficou encalhado. Finalmente, depois de uma intensa luta para recuperar parte de sua carga e tripulação, afundou na noite do 15 de fevereiro de 1903. No seu caminho para o fundo, arrastando-se na pedra de forma piramidal, foi partindo e separou-se em duas metades, criando assim dois pontos de mergulho diferentes.

O Bellucia foi escolhido o "Melhor Naufrágio do Brasil" (Revista Mergulho # 92- janeiro de 2004). Hoje, os pescadores o chamam “Berlucio”, sendo muito conhecido entre eles pela fartura enorme de peixes que conseguem na região.

Segurança

A segurança é um requisito básico para a prática de esportes radicais. É ela que garante a diversão, belas fotos e boas lembranças. Ao praticar as atividades acima sugeridas, é de suma importância que seja com o acompanhamento de um profissional.

Para mais informações sobre empresas e profissionais de esportes radicais, é indicado procurar as secretarias de Turismo dos municípios, ou entrar em contato com a Setur, pelo telefone (27) 3224-6020, de segunda a sexta-feira, de 9h às 12h, e de 14h às 18h.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação/Setur
Andressa Moreno
27- 9802-5542 / 3224-6072
imprensa@turismo.es.gov.br

Fonte: Secretaria de Turismo do Estado do Espírito Santo

  
  

Publicado por em

Wacardoso

Wacardoso

12/07/2009 18:35:24
Outro local muito interessante para quem gosta de voar de parapente é a Cidade de Mantenópolis. Lá tem uma rampa que tem ótimas termais e ainda por cima tem a possibilidade de você conseguir um voo direto para a Cidade de Governador Valadares, meca do voo livre no Brasil.