Búzios investe no turismo LGBT

Sucesso do Rio nesse segmento atrai a atenção da SecTur do balneário

  
  

Seguindo o exemplo da Cidade Maravilhosa, escolhida como melhor destino gay do mundo, Búzios também quer investir no atendimento ao público LGBT. Depois de participar da Feira Internacional de Turismo (FIT), na Argentina, no início de novembro, a Secretaria Municipal de Turismo e Cultura preparou uma estratégia para atrair esse público à cidade: decidiu convidar agentes e jornalistas que trabalham com a indústria do turismo LGBT para conhecer Búzios. Na próxima quinta-feira, 18/11, chega a Búzios, a convite do secretário Isac Tillinger, o canadense Roy Heale, que mora na Argentina e trabalha como publishing nesse segmento. Roy passará três dias na cidade e conhecerá os programas mais agradáveis ao público LGBT.

Membro da Associação Internacional de Viagens de Gays e Lésbicas (IGLTA), Roy será o primeiro passo para a ampliação do investimento nesse público. Ele visitará a cidade acompanhado por agentes da Secretaria de Turismo, e fará um passeio que abrange diversos programas gastronômicos e culturais. Roy ficará instalado no Chez Wady, um dos dez hotéis em Búzios conhecidos como “gay friendly” e avaliado como um dos melhores da cidade. A agenda inclui ainda uma ampla gama de atividades. A expectativa da Secretaria de Turismo é que Búzios, passe também a ser conhecida como um destino gay, como o Rio de Janeiro.

Búzios quer ter uma fatia nesse mercado, que é um dos mais crescentes no mundo: o turismo LGBT. Entretanto, um estudo apresentado no último dia 10 de novembro, em Londres, pela consultoria de marketing Out Now revela que a América Latina ainda é um mercado inexplorado e potencialmente lucrativo para essa indústria e o Brasil é o destino número um deste segmento. Cerca de 25 milhões de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (LGBT) vivem na região, segundo o estudo divulgado na feira World Travel Market (WTM).

A situação brasileira nesse setor, aliás, não é somente positiva dentre os países da América Latina. Para muitos outros, como Estados Unidos, Reino Unido e França, o Brasil é considerado o maior mercado LGBT. O relatório, que será publicado integralmente em janeiro de 2011, revela, por exemplo, que, em 2010, no Brasil, os consumidores locais de LGBT gastaram mais de US$ 20 bilhões e, no México, 5 milhões de clientes LGBT gastaram US$ 8 bilhões, enquanto os LGBT argentinos gastaram um total de US$ 4 bilhões em viagens e outras atividades turísticas.

Fonte: Capta Comunicação & Promoções

  
  

Publicado por em