Com água azul vibrante, Islândia possui spa térmico no meio da neve; Veja fotos

Criada pela natureza com uma ajudinha do homem, a Lagoa Azul é um paraíso aquecido com 5 mil m² no meio do gelo e que ainda possui lama sílica que é usada em aplicações na pele para combater o envelhecimento

  
  
Formado por seis milhões de litros d'água e ocupando uma área de 5 mil m², o local é rico em lama sílica que é usada em aplicações na pele para combater o envelhecimento

No mundo existem dezenas ou até centenas de lagoas azuis, mas algumas delas se destacam por uma coloração tão vibrante que parecem tingidas artificialmente. Localizada na Islândia, a lagoa azul local foi 'criada' pela natureza com uma ajudinha do homem, em 1976. A região foi inundada após a construção da usina Svartsengi nas proximidades da cidade de Reykjavik e se transformou num spa geotérmico.

Se a beleza paradisíaca do local já é suficiente para atrair os visitantes, os efeitos medicinais da água atraem um público ainda maior. Conhecida também como Blue Lagoon, suas águas quentes, que variam numa temperatura média entre 37ºC e 39ºC, contrastam com o clima exterior que no inverno registra constantes temperaturas negativas. O cenário surreal criado pelo 'conjunto' que é composto por um enorme lago de águas quentes cercado de neve por todos os lados faz da região a mais visitada de todo o país nórdico.

Formado por seis milhões de litros d'água e ocupando uma área de 5 mil m², o local é rico em lama sílica que é usada em aplicações na pele para combater o envelhecimento, além de haver relatos de ter melhorado doenças como psoríase e inflamação de pele. Além da água, os gases, que são oriundos da evaporação do líquido devido a grande diferença térmica dentro e fora do lago, também auxiliam no relaxamento.

Enquanto curtem as águas quentes e azuis, poucos sabem que sob seus pés funcionam diversas turbinas que 'injetam' bilhões de litros do líquido que é aquecido naturalmente através do magma vulcânico, que fica embaixo do solo. A tecnologia, que é comum no país nórdico, utiliza o calor da terra para gerar energia e aquecer a água do lago. Ao lado do Blue Lagoon também é possível ver diversas usinas térmicas que são as responsáveis pelo abastecimento da cidade.

O lago de águas azuis vibrantes funciona ao longo de nove meses do ano e cobra uma taxa de entrada que é revertida para a manutenção do local. Entre janeiro e maio custa 33 euros (baixa temporada) e durante o período de junho a agosto (alta temporada), o valor sobe para 40 euros. O lugar ainda conta com um complexo formado por hotel, restaurante e outros serviços.

Como chegar
Com passagens aéreas de São Paulo rumo a Keflavik custando a partir de R$ 4.020, o voo é operado por empresas internacionais. A viagem dura 12 horas e possui escalas. O percurso entre o aeroporto e o lago é feito por um ônibus fretado que parte diariamente do local. Também existe um veículo que faz o traslado entre o Blue Lagoon e a capital islandesa, a cidade de Reykjavik.

Mapa


.
Confira fotos do paradisíaco lago térmico azul, na Islândia

Conhecida também como Blue Lagoon, suas águas quentes, que variam numa temperatura média entre 37ºC e 39ºC, contrastam com o clima exterior que no inverno registra constantes temperaturas negativas
Se a beleza paradisíaca do local já é suficiente para atrair os visitantes, os efeitos medicinais da água atraem um público ainda maior
  
  

Publicado por em