Belo Horizonte como você nunca viu

A capital mineira é daquelas grandes cidades com jeitão de interior. Por lá, tudo é pertinho, e com a ótima infraestrutura de transporte que a cidade possui, o turista pode conhecer todas as belezas da capital mineira

  
  
A Igreja de São Francisco, também conhecida como Igreja da Pampulha, está localizada nas margens da Lagoa da Pampulha de Belo Horizonte

Belo Horizonte que será um dos palcos da Copa do Mundo de 2014, com o Mineirão totalmente reformado, é uma Capital com jeitão de cidade do interior; tudo é pertinho por lá. A proximidade entre os principais monumentos turísticos da cidade é um convite para que turista deixe a preguiça de lado e aproveite a competição para caminhar pela cultura mineira.

Por exemplo, apenas 500 metros separam o estádio do Complexo Arquitetônico da Pampulha. É uma ótima oportunidade para o turista que viu de perto a reforma do Mineirão conhecer um pouco mais da história da capital de Minas Gerais. Para os amantes da arquitetura, o passeio tem um valor especial. O complexo arquitetônico leva a assinatura de Oscar Niemeyer.

O concreto armado e as linhas modernistas projetadas pelo arquiteto carioca na Igreja São Francisco, a 2,2km do Mineirão, impressionam pela beleza e harmonia. Inaugurada em 1943, a obra chama a atenção pela leveza. A estrutura curvilínea, considerada uma inovação para a época, dispensa a laje e cria uma abóboda parabólica estruturante. Depois de descansar, apreciando o visual bucólico recheado de construções modernistas, o torcedor viajante pode seguir em direção ao Museu de Arte da Pampulha (MAP).

O monumento ocupa o prédio onde funcionou o primeiro cassino de Belo Horizonte. Projetado por Niemeyer, entre 1942 e 1944 o local atraiu jogadores de todo o Brasil. No governo do general Gaspar Dutra, o jogo passou a ser proibido e, em 1956, o MAP foi inaugurado. Com um acervo de mais de 1,6 mil obras, ele é uma das paradas obrigatórias para o visitante do Complexo Arquitetônico da Pampulha, integrado ainda pelo Iate Clube e a Casa do Baile.

Um dos melhores passeios para quem visita Belo Horizonte é o conjunto paisagístico e arquitetônico da Praça da Liberdade

Se o viajante não se contentar com o passeio pelos monumentos da lagoa nas proximidades do Mineirão, a dica é o Mercado Central, a 10km do estádio. Basta pegar o transporte público e, em 40 minutos, o turista estará no coração da cidade, onde há um pouco de tudo: comidas típicas, bebidas, doces, salgados, panelas, palha, madeira, brinquedo, faca e tecido.

Outra boa opção é caminhar pela Avenida Afonso Pena, uma das mais famosas da cidade, é uma boa opção. Na Praça da Liberdade, um símbolo da capital mineira, a cultura pulsa nos prédios que anteriormente abrigavam o centro administrativo e se tornaram centros culturais e teatros.

Conhecida por muitos como “capital do boteco”, Belo Horizonte oferece diversas opções de bares e restaurante. A cidade dispõe de uma ampla rede gastronômica. Seja no Complexo Arquitetônico da Pampulha, no Mercado Central ou nos bares e restaurante, a visita à Belo Horizonte será marcada pela simpatia e hospitalidade do povo mineiro.

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em