Como levar o melhor amigo para viajar

O Brasil é o quarto país no mundo em número de animais domésticos – 132 milhões – e o segundo em número de cães: 52 milhões.

  
  

Quem tem um animal de estimação já tem diversas opções de lazer e até de férias. O passeio, entretanto, requer planejamento e alguns cuidados, do transporte a hospedagem. A boa notícia é que há um número cada vez maior de meios de hospedagem, estabelecimentos comerciais e até passeios turísticos aceitam animais domésticos.

O Brasil é o quarto país no mundo em número de animais domésticos – 132 milhões – e o segundo em número de cães: 52 milhões. Há mais bichinhos em casa do que crianças, de acordo com o IBGE. De olho neste mercado, as empresas do setor estão se adaptando para atender a demanda dos viajantes de quatro patas.

Empresas de ônibus permitem a carga, mas as regras variam em cada companhia. Algumas não cobram taxa extra e liberam animais domésticos e silvestres. Outras só transportam animais da fauna doméstica e com até 8 kg, desde que o tempo de viagem não exceda 24 horas e que os demais passageiros autorizem o embarque. O trânsito de animais é autorizado pela Agência Reguladora do Transporte Terrestre (ANTT).

Algumas aéreas permitem o transporte de animais até 5 kg dentro da cabine, outras até 10 kg. Os animais precisam ter mais de quatro meses para viajar e ficam acomodados dentro de um contêiner rígido de fibra ou plástico com tapetes higiênicos e circulação de ar.

Dentro da cabine, s devem ficar entre os pés de seu dono. É cobrada uma taxa para levar o animal e são necessários os comprovantes de vacinação antirrábica e o atestado de saúde do animal emitido por um médico veterinário, com validade de até dez dias da data da emissão.

O bombeiro Ricardo Fontoura tem três cachorros e já chegou a mudar de hotel para poder ficar em um que aceitasse animais. “Já fui Chapada dos Veadeiros e sempre vou a Caldas Novas com eles.” Ricardo conta que, para definir o hotel onde vai se hospedar, pesquisa em sites para saber se aceitam os animais.

No ano passado, uma grande rede de hotéis aderiu à moda e passou a receber animais de pequeno porte (até 15kg), cobrando uma taxa que varia de R$ 30 a R$ 50 por dia, além da carteira de vacinação do animal e de um formulário de responsabilidade preenchido pelo dono. Os animais só podem circular com guia ou em caixas apropriadas e bolsas. Não é permitida a circulação nas áreas sociais, como bares e restaurantes, e os animais não podem ser deixados sozinhos nos quartos.

A ideia, aliás, não é deixá-los sozinhos. Três agências de turismo de Brotas oferecem atividades de ecoturismo “inclusivas”, para donos e seus bichinhos. É possível levá-los para um rafting, para uma trilha e até para uma escalada.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em