Escondida no Vale do Paraíba, cidade de Cunha reserva muita cultura, história e ecoturismo

Em meio a Estrada Real e escondida entre São Paulo e Rio de Janeiro, cidade dos fuscas, de belas paisagens e gastronomia peculiar reserva momentos inesquecíveis

  
  

Com uma população de um pouco mais de 20 mil habitantes, a Estação Climática de Cunha, localizada a 220 km da capital paulista e a 45 km das cidades de Guaratinguetá (SP) e Paraty (RJ), reserva aos seus visitantes surpresas guardadas desde o século 18.

A cidade - última parada da Estrada Real no Caminho do Ouro, que leva ao porto de Paraty (RJ) -, é um mergulho na história. Além da arquitetura composta por calçamentos e muros intactos do século 18 em meio à mata fechada, Cunha foi palco de outra página importante da história, a Revolução de 32. Neste ano houve uma grande batalha entre as tropas constitucionalistas e as tropas federais, onde morreu Paulo Virgínio, pracinha da revolução, que hoje tem um monumento localizado à margens da Estrada Cunha–Paraty.

Cachoeira do Desterro

Uma das belas cachoeiras de Cunha

Cidade dos fuscas (um para cada 13 cunhenses) e situada entre as Serras Quebra Cangalha, Bocaina e do Mar, Cunha é circundada por montanhas, araucárias, áreas preservadas de Mata Atlântica. Para os aventureiros, trilhas para caminhadas e moutain bike, cavalgadas, cachoeiras. O cultivo de shiitake e shimeji, criação de búfalos, caprinos e ovelhas, também caracterizam a cidade, um paraíso que encanta os olhos e a alma.

Duas reservas protegem a natureza caprichosa que emolduram a região - o Parque Estadual da Serra do Mar e o Parque Nacional da Serra da Bocaina, ambos com trilhas variadas e muitas cachoeiras. Há ainda a Pedra da Macela - pico mais alto de Cunha com 1.850 metros de altitude. Lá de cima a vista panorâmica é das baías de Angra dos Reis e Parati em meio a recortes formados por serras e valem que mais parecem pinturas.

Para os adeptos do trekking, as caminhadas costumam ter um charme a mais caso as opções sejam as históricas Trilha do Ouro e Estrada Real. Ambas foram abertas no século 18 e são apinhadas de cachoeiras e vista para o mar. A primeira tem um percurso de 45 quilômetros - feito em três dias - que era usado como alternativa para levar o ouro extraído em Minas até o litoral sem pagar o imposto cobrado na via oficial. Já o trecho que ainda existe da Estrada Real era utilizado pelos escravos e pode ser percorrido em quatro horas.

Cerâmicas de Cunha

Além do contato com a natureza, Cunha oferece ainda um belíssimo artesanato produzido nos vários ateliês de cerâmica espalhados pela cidade. Alguns utilizam a técnica oriental dos fornos noborigama, construídos com tijolos refratários e capazes de produzir um calor de até 1.400 graus. Os efeitos coloridos e manchados nos vasos, pratos, luminárias e esculturas são produzidos por chamas que não são controladas pelos artesãos, o que torna o resultado do trabalho uma incógnita até mesmo para os artistas. A surpresa virou uma das atrações da cidade nas datas marcadas pelos ateliês para abrirem seus fornos.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Cidade de Cunha

  
  

Publicado por em

Mah Taty e Josy

Mah Taty e Josy

26/05/2010 20:59:52
Gente vale a pena vir a Cunha, é a Cidade da Beleza Natural......... Mah, Josy e Taty Curso Tecnico de Turismo 2010

Eder murari cunha

Eder murari cunha

09/05/2010 18:01:30
Oi pessoal,

Estou procurando amigos que morem em Cunha. Estou querendo ir para lá para visitar a cidade, mas não tenho nem um amigo.

Quando eu for, vou ficar na pousada então quero amigos para me relacionar.

Me adicione e falem que é de Cunha, se não, não aceitarei.

fenix.soares@hotmail.com.br

Maria Ap. Samocrainic Couto

Maria Ap. Samocrainic Couto

23/05/2009 10:55:22
Nossa essa cidade deve ser linda!!! Um dia se DEUS quiser irei conhecer. Principalmente os atelies de ceramica.