Está aberta a temporada de baleias

Bahia e Santa Catariana já começaram a receber os mamíferos, que ficam até o fim do ano no Brasil Bem longe da costa, a mais de 70 quilômetros, elas começam a surgir. Neste ano, decidiram dar o ar da graç

  
  

Bahia e Santa Catariana já começaram a receber os mamíferos, que ficam até o fim do ano no Brasil

Bem longe da costa, a mais de 70 quilômetros, elas começam a surgir. Neste ano, decidiram dar o ar da graça um mês antes do previsto e já chegaram ao Arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia. São as mesmas baleias-jubarte que costumam dar suas voltinhas mais ao norte, em Mata de São João, perto de Salvador. Já as baleias-franca escolheram o Sul do País. E logo, logo devem aparecer em Florianópolis, para abrir definitivamente a temporada de observação.

Os mamíferos chegam à costa brasileira em busca de águas mais quentes. Com temperaturas que variam entre 25 e 27 graus, o clima é perfeito para a reprodução e para amamentar os filhotes. ''''As baleias vêm das Ilhas de Geórgia, no Atlântico Sul, onde se alimentam e vivem no resto do ano. A jubarte costuma chegar ao Brasil em julho e ficar até novembro. As francas chegam na mesma época e ficam um mês a mais'''', explica o coordenador administrativo do Instituto Baleia Jubarte, Eduardo Camargo.

A diferença entre as espécies pode ser notada por seus hábitos. ''''A jubarte é mais exibida, faz muitas acrobacias e costuma ficar até horas parada com o rabo para fora da superfície'''', diz Camargo. As francas gostam de ficar perto das praias, mas não são muito de acrobacias. O que chama atenção nelas é o esguicho de água. Ele sai em forma de ''''V'''', resultado do ar aquecido expelido rapidamente.

Para apreciar esse verdadeiro show de baleias, não perca tempo. Nas cidades litorâneas perto desses pontos - como Mata de São João e Caravelas, na Bahia, e Florianópolis, em Santa Catarina -, barcos turísticos levam os interessados bem perto dos animais.

Os passeios custam de R$ 90 a R$ 200 e partem pela manhã. O primeiro cruzeiro para Abrolhos ocorreu na semana passada. ''''Pelo menos 6 mil baleias freqüentam o nosso litoral'''', explica Camargo.

PRESERVAÇÃO

Projetos como os dos Institutos Baleia Jubarte e Baleia-franca tentam tirar essas espécies da lista de animais em extinção. A caça de baleias foi proibida há mais de 40 anos, mas o período predatório causou estragos.

Estima-se que hoje, em todo o mundo, existam 7 mil francas. A situação da jubarte não é muito diferente. ''''Elas não chegam a 35 mil. Pelos nossos estudos, antes existiam pelo menos 350 mil'''', diz Camargo.

fonte: Portal Estadão

  
  

Publicado por em