Hotéis estão atentos aos turistas que viajam com animais

As regras e preços para a estadia de animais domésticos variam de acordo com cada hotel

  
  

Com objetivo de se diferenciar no mercado, as redes hoteleiras estão de olho no público que faz questão de viajar acompanhado dos animais de estimação, em especial cães e gatos.

A iniciativa tem motivo: empresas especializadas no segmento calculam que a receptividade aos bichinhos representa um incremento médio de 10% no faturamento. Outra vantagem para os hotéis é a possibilidade de fidelização deste tipo de público.

Para os turistas, além da comodidade de não se separar dos “amigos”, a viagem acompanhada dos animais pode representar a economia de despesas com veterinários e cuidadores.

Outra vantagem é a de prevenir problemas decorrentes de longos períodos de afastamentos dos donos, quando alguns animais acabam desenvolvendo alergias, ficam deprimidos e param de comer.

“Para viabilizar o projeto, foram tomados cuidados extras, como a compra de produtos específicos para limpeza de ambientes e treinamento de funcionários sobre como receber os novos ‘hóspedes’”, afirma Frank Pruvost, diretor de operações para a América do Sul de uma grande rede hoteleira que passou a receber os pets de até 15kg em junho deste ano.

Pruvost diz ainda que a decisão de aceitar os animais foi adotada após testes em cinco hotéis da rede onde ele atua para verificar a aceitação dos hóspedes.

“Obtivemos ótimos resultados. Como os usuários aprovaram a iniciativa, decidimos implantar o programa nacionalmente”, acrescenta o executivo.

Larissa Rios, proprietária de uma agência especializada em roteiros acompanhados de animais domésticos alerta, entretanto, que o consumidor deve tomar cuidado com hotéis que dizem aceitar animais, mas impõem tantas regras que o hóspede se sente mal recebido.

“Há casos em que o dono é obrigado a andar o tempo todo com o animal no colo, o que causa desconforto ao hóspede”, relata. Para prevenir este tipo de situação, a empresa de Larissa criou o selo “Pet Friendly”, que certifica hotéis com base em avaliações dos serviços e estruturas voltadas para animais de estimação. Atualmente, seis estabelecimentos contam como selo.

As regras e preços para a estadia de animais domésticos variam de acordo com cada hotel, mas em geral, há limitações, tais como peso e tamanho dos animais, além de circulação restrita a quartos e áreas pré-definidas.

Outra exigência comum é a de que os donos apresentem cartões de vacina atualizados de cães e gatos além de assinar termo de responsabilidade por eventuais danos causados pelo animal.

Companhias aéreas

As regras e preços para viajar com os bichinhos em aviões também variam de acordo com cada empresa. Em geral há limitação de peso para transporte dentro da cabine e exige-se que sejam devidamente acomodados dentro de uma caixa de transporte – somados, animal e caixa não podem pesar mais que 7kg, a depender da companhia.

Para conscientizar os passageiros sobre as espécies permitidas a bordo, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) lançou uma cartilha com orientações sobre segurança e bem-estar dos mascotes dentro dos aviões.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Gustavo Henrique Braga / MTur

  
  

Publicado por em