Brasil quer fortalecer atração de turistas do Brics

|O Brasil tem um potencial turístico incalculável e pouco explorado, que se deve, talvez, ao desconhecimento do País lá fora, embora o Brasil sempre desperte, no exterior, uma simpatia imediata

  
  
O Brasil tem um potencial turístico incalculável e pouco explorado, que se deve, talvez, ao desconhecimento do País lá fora, embora o Brasil sempre desperte, no exterior, uma simpatia imediata

O diplomata Acir Madeira Pimenta Filho tomou posse como novo diretor de Relações Internacionais do Ministério do Turismo. Ele assume o posto tendo como uma de suas principais missões a de reforçar, em parceira com a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), a atração de visitantes dos países do Brics – conjunto que reúne Rússia, China, Índia e África do Sul, além do Brasil. Eles lideram o aumento de chegadas em território brasileiro. Os chineses e os russos estão no topo da lista com um crescimento de desembarques de 48% e 41%, respectivamente, entre 2010 e 2011 (confira tabela abaixo). Na média geral, o aumento de chegadas foi de 5% no período.

Para o ministro do Turismo, Gastão Vieira, o desafio é trazer para o Brasil os turistas que mais têm ampliado os desembolsos com viagens internacionais. “Queremos aproveitar a parceria desses países, para aumentar o fluxo de turistas e de gasto em território brasileiro”, afirma. Segundo ele, as estratégias que serão traçadas em parceira com a Embratur devem abordar a relação com agências internacionais, fortalecimento da divulgação, uso da extensa rede de embaixadas e consulados do Brasil no exterior e ampliação do número de voos conectando esses países.

“Os desafios são enormes, porque temos um potencial turístico incalculável e pouco explorado, que se deve, talvez, ao desconhecimento do País lá fora, embora o Brasil sempre desperte, no exterior, uma simpatia imediata”, observa Acir Madeira Pimenta Filho. O diplomata traz sua experiência recente como conselheiro cultural da Embaixada do Brasil em Roma, além de passagens pelas embaixadas brasileiras em Madri, Moscou e Praga. “Estou animado. Após morar em sete países, creio que consigo hoje ter uma visão mais equilibrada do que os estrangeiros pensam do Brasil”, destaca.

TURISMO RECEPTIVO
Para o turismo geral, sua iniciativa será de levar turistas estrangeiros a destinos pouco conhecidos do Brasil e preparar o setor de receptivo a trabalhar com línguas pouco habituais. Acredita que o setor cultural brasileiro oferece alternativas refinadas para viajantes com maior grau de exigência, como o museu de Inhotim em Belo Horizonte (MG), a Festa Literária Internacional de Parati (RJ), além de festivais de cinema, música e gastronomia. “Precisamos transformar todos esses eventos e lugares em destinos turísticos. Sem falar do que se pode fazer com o enorme patrimônio natural de que somos detentores.”

Uma das estratégias passa pela valorização da cultura e da produtividade nacionais, que podem contribuir para ajudar a superar a imagem estereotipada do Brasil no plano internacional. “Um projeto é o de formar, em parceria com a Embratur, programas para trazer editores dos principais guias turísticos do mundo para conhecer setores dinâmicos do Brasil, como o polo científico-tecnológico de São José dos Campos, o bem-sucedido projeto agrícola do semiárido nordestino, a indústria de tecnologia da informação instalada no Norte de São Paulo e Sul de Minas, o setor de produção do etanol etc. Esse programa buscará apresentar aos olhos externos o Brasil moderno e assertivo”, afirma.

Acir adianta que também serão desenvolvidos projetos em parceria com os ministérios da Educação, da Cultura e da Indústria e do Comércio. “Temos que valorizar nosso patrimônio cultural, não podemos pensar apenas no nosso valor natural, que é enorme e magnífico.” Para o ministro Gastão Vieira, a escolha por Acir para este cargo foi estratégica. O diplomata foi conselheiro cultural da Embaixada do Brasil em Roma e teve passagens pelas embaixadas brasileiras em Madri, Moscou e Praga. “Acir é um diplomata atualizado, vem de uma embaixada central da Europa, num país que tem tradição de vender o turismo cultural, que é o que precisamos explorar”, disse o ministro.

DESEMBARQUE DOS BRICS
Os países do grupo Brics aumentaram sua participação no turismo receptivo do Brasil em 2011. O crescimento mais expressivo, de 47%, foi o de visitantes da China. Subiu de 37,8 mil em 2010 para 55,97 mil, em 2011. Já o de turistas russos subiu 40%, saindo de 15,8 mil para 22,3 mil. A Índia enviou 21,53 mil viajantes ao Brasil, registrando crescimento de 14% em relação a 2010. Da África do Sul foram cerca de 22,75 mil.

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em