Reconhecida nacionalmente, Florianópolis recebe turistas de diversas partes do Brasil

A capital catarinense não é apenas um dos destinos preferidos de estrangeiros, mas de muitos brasileiros

  
  

Eleita novamente a melhor cidade turística do Estado, a capital catarinense não é apenas um dos destinos preferidos de estrangeiros, mas de muitos brasileiros. Florianópolis é também o local preferido dos associados ao Sistema Brasileiro de Hotéis, Lazer e Turismo (SBTUR).

Para as festas de final de ano, há cerca de seis mil solicitações de reservas. Em segundo e terceiro lugar, estão as cidades de Torres, no Rio Grande do Sul, e Balneário Camboriú, também em Santa Catarina, com quatro mil e 3400 solicitações, respectivamente.

Como em todos os anos, os gaúchos são os que mais procuram passar as férias em Florianópolis. Para o Reveillon, o percentual de reservas feitas por associados do Rio Grande do Sul ficou na média de 69%.

Os catarinenses aparecem com a segunda maior procura por hotéis e pousadas na Ilha, com 19% no Ano Novo, seguido dos paranaenses, 6% Ano Novo, turistas que a cada ano aumentam sua presença no Estado.

Uma novidade que se destaca nas reservas do SBTUR para este ano é a busca de hospedagem e passagens por turistas do Distrito Federal para o Reveillon. Cerca de 5% das reservas vem somente da capital brasileira.

“A cada ano percebemos algumas mudanças na procura por Florianópolis, como o aumento de paranaenses e turistas de outros Estados que começam a vir com maior frequência. Acredito que isso tenha a ver com o grande reconhecimento turístico que Florianópolis tem tido em todo o Brasil”, comenta o diretor de operações do SBTUR, Cristóvão Loureiro.

O crescimento no número de visitantes se dá também pelo aumento de turistas que começou a viajar mais, principalmente por meio do transporte aéreo. Uma das alternativas que tem facilitado muito esse espaço para classes C e D é o Turismo Social, uma forma de viajar com qualidade sem gastar muito.

O SBTUR, por exemplo, oferece um pacote de viagem para sete dias, incluindo hotel, passagem aérea e translado, cujo custo médio é de R$ 2 mil por pessoa, com seu valor reduzido em até 30%, sendo possível parcelar em até 12 vezes.

“O custo benefício é alto. Por meio de uma parcela programada no orçamento o usuário pode contar com um serviço personalizado e de qualidade. É garantia de descanso”, explica Paulo de Brito Freitas, presidente da ABRASTUR (Associação Brasileira de Cooperativas e Clubes de Turismo Social) e do SBTUR.

Fonte: Mariana Blessmann

Visite: www.revistaecotour.com.br

  
  

Publicado por em