Turismo de Itaipu terá lago e parque aquático

Quando estiver pronto, o parque de Itaipulândia será o maior da América Latina, em área e em número de brinquedos

  
  
O Parque Aquático Termal Lago de Itaipu, em Itaipulândia, a 70 km de Foz do Iguaçu, criará novos atrativos de turismo e de lazer no Oeste do Paraná / Divulgação

Dois píers, um próximo à barragem e outro na praia de Jacutinga, em Itaipulândia, vão permitir passeios de barco no reservatório e ainda oferecer como opção os atrativos do Parque Aquático Termal de Itaipulândia.

A integração do Complexo Turístico Itaipu com o Parque Aquático Termal Lago de Itaipu, em Itaipulândia, a 70 km de Foz do Iguaçu

, criará novos atrativos de turismo e de lazer no Oeste do Paraná.

Dentro de seis meses, quando o parque for aberto para o público em geral – por enquanto, funciona apenas para sócios -, a ligação entre a usina e Itaipulândia poderá ser feita também por barcos.

Dois píers estão em construção, um próximo à barragem de Itaipu e outro na prainha de Jacutinga, em Itaipulândia.

“Os dois píers vão criar novas opções para os turistas. Quem visitar Itaipu, poderá também fazer passeios pelo lago, almoçar no Kattamaram, por exemplo, e passar a tarde se divertindo nas atrações do parque aquático”, afirma o superintendente de
Comunicação Social de Itaipu e presidente do Fundo Iguaçu, Gilmar Piolla.

Infraestrutura:

Na usina de Itaipu, o píer terá capacidade para receber simultaneamente vários barcos de médio porte. Ele estará preparado também para o Kattamaram, barco para 200 passageiros hoje utilizado para passeios no reservatório, que passará também a fazer a ligação entre Itaipu e
Itaipulândia.

Junto ao píer de Itaipu, será construído um Centro de Recepção do Visitante com bar e deck suspenso, com vista para o reservatório. São quase 600m² de área de deck e 370 m² de área coberta, com capacidade para 280 pessoas.

Enquanto aguardam a chegada do barco, os turistas terão infraestrutura completa de atendimento, incluindo as pessoas com necessidades especiais.

Um marco

Em Itaipulândia, a primeira fase do parque aquático termal foi inaugurada no sábado, inicialmente para receber apenas os sócios.

A previsão é que até julho seja aberto para o público em geral, segundo o diretor executivo do parque, Júlio Gaspar.

A construção do parque termal foi iniciada em 2003 e abandonada já no ano seguinte. Em 2011, a empresa carioca Rio Water Planet ganhou a concessão para explorar o atrativo, comprometendo-se a investir R$ 10 milhões em quatro anos.

Quando estiver pronto, o parque de Itaipulândia será o maior da América Latina, em área e em número de brinquedos, que incluem duas piscinas de ondas, um tobogã gigante com oito pistas de descidas para quatro pessoas, o rio lento e o rio selvagem (este será o mais extenso do mundo).

Hotéis:

O prefeito de Itaipulândia, Miguel Bayerle, conta que já está recebendo muitos empresários interessados em investir na construção de hotéis e pousadas, que se somarão ao hotel de 200 leitos previsto na concessão do parque para a empresa carioca.

O prefeito também está em negociações com o governo do Estado para melhorar a infraestrutura de acesso ao município e
ao parque.

Para Gilmar Piolla, “o parque é um marco para o desenvolvimento turístico regional”. Segundo ele, “aqui será a praia” para os moradores dos municípios vizinhos de Itaipulândia e também do Paraguai e da Argentina.

Águas termais:

Ao contrário de outros empreendimentos aquáticos do Brasil, o Parque Aquático Termal Lago de Itaipu não precisará ser fechado nos meses de inverno. O parque da Rio Water Planet no Rio de Janeiro, por exemplo, fecha durante três ou quatro meses ao ano.

“Aqui, vai funcionar mesmo no inverno, porque será utilizada água termal nas piscinas cobertas”, explica Júlio Gaspar.

Nos meses quentes, a água do parque pode ser extraída de poços artesianos comuns. Mas, no frio, a água termal virá do Aquífero Guarani, onde a temperatura atinge 41 graus o ano todo. Um equipamento com capacidade para 100 mil litros de água por segundo bombeia a água de um poço de 1.039 metros de profundidade.

Empregos:

Atualmente, o parque conta com 200 empregados. Cerca de 90 fazem o
atendimento, enquanto os demais executam as obras da segunda fase do projeto, que devem ficar prontas dentro de seis meses. Quando também o hotel estiver em funcionamento, toda a estrutura deverá contar com mais de mil empregados.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Itaipu Binacional

  
  

Publicado por em