Turismo retoma agenda estratégica

A melhoria da infraestrutura portuária para os cruzeiros marítimos e a criação de áreas especiais de interesse turístico também entraram na pauta.

  
  
O turismo tem muito a contribuir para o desenvolvimento do Brasil /Divulgação

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, recebeu na terça-feira (17/05) os presidentes da Clia-Abremar, Marco Ferraz; da Braztoa, Magda Nassar; e da Abav, Edmar Bull, para tratar de temas estratégicos para o setor.

Os representantes do mercado pediram empenho do ministro para manter a alíquota do imposto de renda sobre as remessas de dinheiro ao exterior. A Medida Provisória que trata do assunto está no Senado, sob relatoria do senador Dalírio Berger, e tem que ser votada até 09 de junho.

A melhoria da infraestrutura portuária para os cruzeiros marítimos e a criação de áreas especiais de interesse turístico também entraram na pauta.

“O turismo tem muito a contribuir para o desenvolvimento do Brasil. Conversei sobre o assunto com o ministro do Planejamento, Romero Jucá, que se mostrou extremamente sensível ao assunto.

O nosso horizonte é favorável”, comentou o ministro. Henrique Alves ressaltou ainda, junto aos representantes do mercado, o compromisso de articular no Congresso Nacional a manutenção da alíquota do imposto de renda sobre os pagamentos de agências e operadoras de viagem em 6%.

O ministro adiantou que o projeto de lei que trata da criação de áreas especiais de interesse turístico já foi finalizado e enviado para a Casa Civil. O texto prevê licenciamento diferenciado e crédito facilitado em áreas pré-definidas como forma de fomentar o desenvolvimento econômico por meio do turismo.

Cancun, no México, serviu de inspiração. Na década de 1970, a região era abandonada e atualmente responde por US$ 11 bilhões dos US$ 17 bilhões inseridos na economia mexicana por visitantes internacionais.

O presidente da Clia-Abremar, Marco Ferraz, lembrou do desafio feito pelo ministro no último Fórum Panrotas, em março. “O senhor afirmou que gostaria de ver um navio navegando pela costa brasileira, principalmente no Nordeste, o ano todo e isso é possível, mas temos de melhorar a infraestrutura e rever algumas taxas operacionais”, comentou Marco.

O representante destacou que já está tratando do assunto com outras áreas do governo federal e do Congresso Nacional e o ministro se comprometeu a entrar na discussão.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em