Técnicos canadenses e franceses conhecem tecnologia paranaense

O encontro faz parte da missão de cooperação trilateral, firmada entre o governo do Paraná e os dois países

  
  

O governador Roberto Requião e o vice-governador Orlando Pessuti receberam nesta segunda-feira (09), no Palácio das Araucárias, em Curitiba, técnicos da região de Québec (Canadá) e Rhône-Alpes (França), que iniciaram uma visita de seis dias em 28 cidades do Estado. O encontro faz parte da missão de cooperação trilateral, firmada entre o governo do Paraná e os dois países, para troca de experiências em quatro principais áreas: turismo rural, agroindústria familiar, cultivos florestais e agroecologia.

“O Brasil, há até muito pouco tempo, só comercializava com os Estados Unidos, e o Paraná está no caminho da polinuclearização do mundo, da multiplicidade das parcerias”, declarou Requião. “Os grupos que estão aqui têm feito parcerias extraordinariamente bem-sucedidas com nosso Estado e nós festejamos, porque temos que quebrar essa estrutura monolítica de relacionamento único e comercial”, completou. Acordos bilaterais com Québec e Rhône-Alpes já existem, respectivamente, desde 2004 e 2006.

Segundo o vice-governador, o acordo estabelece uma ação de cooperação com a Secretaria da Agricultura e a amplia para outros setores do governo. “São inúmeras áreas beneficiadas, como ciência e tecnologia, educação, cultura, indústria e comércio, mas principalmente no que diz respeito à agricultura saudável e de qualidade, que queremos ter no Paraná e no Brasil, através da produção de alimentos agroecologicamente corretos, sem o uso equivocado de agrotóxicos e sem a presença de organismos geneticamente modificados”, afirmou.

Para o diretor do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia e coordenador-geral da missão, Filipe Braga Farhat, os técnicos canadenses e franceses conhecerão em campo as experiências do Estado nos quatro temas propostos. “Especialistas nesses assuntos vão visitar o interior para ver quais tecnologias são usadas e de que maneira. Eles vão comparar com o que fazem lá, nos dar algumas idéias”, ressaltou.

INOVAÇÃO – De acordo com o chefe do Escritório de Representação do Ministério de Relações Exteriores no Paraná (Erepar), ministro Sérgio Couri, a iniciativa concebida pelo Estado de cooperação trilateral é inovadora. “O Paraná começa a inovar em matéria de cooperação descentralizada. É uma inovação gerada aqui e que não é comum, nunca ouvi falar no Brasil e nem na América Latina”, declarou.

O ministro comparou a iniciativa de cooperação trilateral com o projeto “Quatro Motores do Mercosul”, compreendido pelo Conselho de desenvolvimento do Extremo Sul (Codesul-PR), Córdoba (Argentina), Rivera (Uruguai) e Alto Paraná (Paraguai). “O Paraná começa a multilateralizar a cooperação descentralizada, seja em associações trilaterais, quadrilaterais, mas já é um movimento de aglutinação de cooperações. Isso cria um potencial maior e pode-se esperar resultados bem mais amplos”, afirmou.

Na opinião do ministro, tanto Rhône-Alpes, como Québec são fortes produtores agrícolas. “Esse intercâmbio vai permitir a troca de índices de excelência. O Paraná vai absorver aquilo que eles estão mais adiantados e eles vão receber a cooperação do Estado naquilo que nós temos vantagem competitiva, como a agricultura familiar”, exemplificou.

Secretário do Conselho de Desenvolvimento do Sul do Paraná (Codesul-PR), Santiago Martin Gallo, comentou que a cooperação triangular é algo difícil de acontecer. “Normalmente, os países cooperam de forma bilateral, mas uma cooperação triangular é difícil. Isso mostra a política do Estado em trabalhar as relações internacionais de forma orgânica e provocar atração de parceiros significativos”, disse. “É uma experiência muito importante para a sociedade paranaense, que se beneficia com a cooperação”, avaliou.

INTERCÂMBIO – Para a representante do governo de Québec, Lise Gravel, o Paraná pode inspirar outros parceiros nessa vontade de compartilhar experiências. Em relação ao interesse do Canadá nesse compartilhamento ela citou os setores da agroindústria alimentar, ciência e tecnologia, e cultura. “Encontrei-me com representantes da Secretaria da Cultura e provavelmente vamos iniciar uma cooperação no setor de museologia e cinema, na produção de filmes independentes”, antecipou.

Já para o representante de Rhône-Alpes, Guy Palluy, o interesse da sua região é na produção de alimentos não-transgênicos. “Foi feito uma pesquisa na França e 70% da população declarou que não quer comer organismos geneticamente modificados direta e nem indiretamente”, explicou. “Como hoje nós importamos e demandamos proteína alimentar, o Paraná pode ser o fornecedor para nossa região”, afirmou.

Para Palluy, o governo do Paraná tem uma posição semelhante a da França. “Não é somente uma cooperação simplesmente técnica, mas uma cooperação de civilização, de cultura, que é extremamente importante para o desenvolvimento de ambas as regiões”, conclui.

Entre os 28 municípios que a missão visita, estão Toledo, no Encontro Internacional sobre Agroindústria Familiar e Turismo Rural; Cascavel, no Show Rural; e Foz do Iguaçu, na Itaipu Binacional.

Fonte: Bem Paraná

  
  

Publicado por em