Conheça um pouco da história do País na Costa do Descobrimento

Passados 512 anos do Descobrimento do Brasil, ainda é possível desbravar áreas onde os portugueses pisaram pela primeira vez. Nesse roteiro baiano é possível desfrutar de diversas belezas naturais que incluem parques nacionais e belas praias

  
  
Praia Coroa Vermelha

Passados 512 anos do Descobrimento do Brasil, ainda é possível desbravar áreas onde os portugueses pisaram pela primeira vez.
Formada pelos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz de Cabrália, a Costa do Descobrimento permite ao turista uma imersão na história. Nesse roteiro baiano é possível desfrutar de diversas belezas naturais que incluem parques nacionais e belas praias. Há também a possibilidade de conhecer aldeias e reservas indígenas da região, na Rota das Aldeias.

Em Porto Seguro, por exemplo, há o Marco do Descobrimento e o Museu de Porto Seguro. Entre as praias mais frequentadas, estão as de Mundaí e de Taperapuã. Para os que gostam de esportes, a Praia de Ponta Grande é uma boa pedida para a prática do windsurf. Já em Santa Cruz de Cabrália, local onde foi realizada a primeira missa no País, em 26 de abril de 1500, o visitante pode conhecer a Praia da Coroa Vermelha (onde também fica a réplica da cruz da primeira missa) e o Museu do Descobrimento.

Com a colaboração dos índios Pataxós, quem se interessar por conhecer as aldeias poderá acompanhar algumas tradições, ter experiências como dormir em ocas, experimentar a culinária indígena e ter um contato maior com a natureza.

Em 1999, esta região foi tombada como Patrimônio Natural Mundial pela Unesco.

Vale a pena visitar e conhecer um pouco da história do Brasil e de brinde, você ainda ganha um cenário deslumbrante!

Fonte: Blog do MTur

  
  

Publicado por em

Mabell

Mabell

15/11/2012 11:41:08
Penso que num lugar espetacular como esse deve sim ser visitado, mas olhem esta foto! Isso não é turismo é degradação, invasão, é absurdo!
Isso tudo deveria ser preservado e para isso ter um turismo controlado e mais inteligente. Que pecado! Nossos filhos não verão tanta beleza.