Entenda como é feita a medição da balneabilidade das praias brasileiras; 30% estão impróprias

Em época de Réveillon e férias é muito comum ouvir que as praias estão próprias ou impróprias para o banho, mas afinal, como é feita a medição? Quais os critérios para definir a balneabilidade das praias? Qual o significado das cores bandeiras?

  
  
A balneabilidade das águas depende de uma série de fatores, entre eles os principais são a existência de um sistema de coleta de lixo, chuvas, mudança de marés, além do aumento do número de pessoas na localidade em determinadas épocas do ano

Réveillon é sinônimo de praia. Por mais que a Festa da Virada em São Paulo deva receber cerca de 1 milhão de pessoas este ano, o grande público quer curtir a queima de fogos a beira mar. No principal Réveillon do Brasil, no Rio de Janeiro, a expectativa é que 2,5 milhões de pessoas participem da festa da Virada de Ano. Porém, antes e depois da Festa o bom é aproveitar as belas praias do litoral brasileiro.

Contudo, nesta época de ano devido as chuvas e ao aumento da população nas cidades litorâneas cresce a quantidade de praias impróprias para o banho. Segundo os órgãos responsáveis pela balneabilidade da água nos estados, o Brasil possui neste momento 755 praias próprias para o banho e 274 impróprias, cerca de 30% delas não devem receber banhistas. O Rio de Janeiro é o estado com mais praias não recomendadas para o banho, são 76 impróprias e 88 próprias. Já o estado de São Paulo possui 92 praias próprias e outras 58 impróprias.

Para alertar aos banhistas, os órgãos responsáveis colocam bandeiras de diversas cores que significam a balneabilidade da água. Porém, muitas vezes os frequentadores desrespeitam ou mesmo desconhecem o significado do aviso e entram no mar mesmo quando ele está impróprio.

Balneabilidade
Ela é determinada pela qualidade das águas que são voltadas para a diversão, como nas praias, lagoas e rios. O estudo sobre a balneabilidade do local só é realizado onde há a uma presença considerável de frequentadores em contato direto e constante com a água.

A balneabilidade das águas depende de uma série de fatores, entre eles os principais são a existência de um sistema de coleta de lixo, chuvas, mudança de marés, além do aumento do número de pessoas na localidade em determinadas épocas do ano, como no Réveillon.

Existem cinco bandeiras de cores diferentes que representam a balneabilidade da água

Classificação
O principal critério utilizado para analisar a balneabilidade de um local é a quantidade de coliformes fecais (partículas presente nas fezes dos animais e humanos) na água. Para realizar a medição são recolhidas 5 amostras de 100 ml de água que são classificadas como 'excelente', 'muito boa', 'satisfatória' e 'imprópria'. Nos três primeiros casos, a água está liberada para o banho.

Quando é detectado mais de 1 mil partículas de coliformes fecais em 20% ou mais das amostras, a água é considerada imprópria. Já quando a quantidade de partículas estiver entre 500 e 1 mil em 80% das amostras, o estado da água é considerado satisfatório. Já a classificação de "muito boa" é para quando 80% das amostras possuírem entre 250 e 500 partículas de coliformes fecais e quando esta quantidade fica entre 0 e 250, a água é classificada como 'excelente'.

Bandeiras
Existem cinco bandeiras de cores diferentes que representam a balneabilidade da água. Quando a bandeira está azul indica que a praia está 'excelente' para o banho em 100% do tempo. Já quando a bandeira está verde, quer dizer que aquela praia é própria para o banho em 100% do tempo. No caso da bandeira estar amarela significa que a praia é classificada como imprópria para o banho em até 50% do tempo. Já quando a bandeira está na cor vermelha, a praia está imprópria em mais de 50% do tempo. Por fim, as poucas praias que possuem a bandeira branca são testadas apenas por questão preventiva, pois são classificadas como "sistematicamente boas".

Riscos
Existem diversos riscos à saúde de quem desrespeitar as ordens de proibição de banho nas praias, rios e lagos. Os coliformes fecais presentes na água são transmissores de doenças como a hepatite, cólera e até problemas gastrointestinais. Se não for recomendado o banho no local, o correto é seguir a indicação e evitar problemas sérios a saúde.

Por Dennys Marcel

  
  

Publicado por em