Especialistas traçaram no Ecoadventur o panorama do turismo sustentável

Durante o painel `Políticas para o desenvolvimento do turismo sustentável”, o consultor em Legislação Ambiental e Turística, João Allievi, e a Secretária de Desenvolvimento Sustentado do Ministério do Meio Ambiente, Daniela Soares do Nascimento, traçaram

  
  

Durante o painel `Políticas para o desenvolvimento do turismo sustentável”, o consultor em Legislação Ambiental e Turística, João Allievi, e a Secretária de Desenvolvimento Sustentado do Ministério do Meio Ambiente, Daniela Soares do Nascimento, traçaram o panorama da atividade no Brasil.

A apresentação de Daniela foi em torno do Programa Nacional de Ecoturismo e das soluções que, a atual Secretária do Ministério do Meio Ambiente, adotou durante em sua gestão em Brotas (SP). Em menos de dez anos, o município, que não tinha tradição em ecoturismo e turismo de aventura, se transformou em um dos pólos outdoor da região sudeste.

Para Daniela, o Litoral Norte tem potencial para se transformar em um centro de turismo sustentável. `A localidade está no eixo Rio-São Paulo, concentra fauna e flora diferentes e tem empreendedores. Vocês possuem os ingredientes básico nas mãos`, afirmou.

Allievi explicou a diferença entre os conceitos certificação, normalização e normatização. Segundo o consultor, certificação e normalização são sinônimos e significam a criação de um selo de qualidade para padronizar um produto sem a pressão de leis. Já, a normatização se encontra no sentido mais amplo e abrangente da legislação.

Além de Daniela e Allievi, o Secretário de Urbanismo de Caraguatatuba, Leandro Borella, também esteve presente no evento. Em sua fala, Borella reforçou os pontos levantados pelos colegas de mesa e acrescentou que a cidade está buscando a normatização.

Questionado pela reportagem da Agência de Notícias Ecoadventur sobre a ação da Prefeitura de Caraguatatuba sobre o assunto, o Secretário disse: `Queremos criar uma legislação para que o turismo sustentável seja realizado no município. Hoje, a maioria das empresas desse segmento não está regularizada porque a cidade não tem leis que regem o esporte e o turismo de aventura`. Borella completou sua argumentação concluindo que a regularização dará credibilidade às atividades turísticas da região.

Allievi disse à ANE que o Litoral Norte precisa seguir três passos para a normatização. `Em primeiro lugar, os cidadãos precisam se mobilizar e se conscientizar. Depois, as pessoas devem ter vontade política e apreender a votar. E por último, é necessário despir-se de falsas ideologias e lutar pelas necessidades da cidade`, elencou.

Em entrevista exclusiva à ANE, Daniela esclareceu que o Programa Nacional de Ecoturismo não afetará diretamente o Litoral Norte. `Nosso trabalho é nacional, mas há linhas que focam, incentivam e apóiam a Mata Atlântica, vegetação abundante na região`, concluiu.

O `Políticas para o desenvolvimento do turismo sustentável” fez parte do eixo Fera do Ecoadventur 2006.No dia 15/7, aconteceram os painéis `A Mata Atlântica e a responsabilidade de sua preservação`, das 15h às 19h, e `Certificação e Segurança. Sem isso não existirá turismo de aventura`, das 19h15 às 23h.

O Ecoadventur 2006 teve entrada franca, ofereceu a prática gratuita de esportes e atividades de aventura gratuitas.

Fonte: Trópico Comunicação

Del Valle Editoria
Contato: vininha@vininha.com

  
  

Publicado por em